O que é um termopar? Funcionamento, tipos e como testar - MakerHero
O que é um termopar? Funcionamento, tipos e como testar

O que é um termopar? Funcionamento, tipos e como testar Deixe um comentário

No post a seguir, exploraremos detalhadamente o princípio de funcionamento de um termopar, os diferentes tipos disponíveis, suas características elétricas e como calibrá-los para garantir precisão nas medições. Além disso, discutiremos como esses sensores são utilizados em indústrias como a automotiva, aeroespacial, metalúrgica, química e petroquímica, além de sua aplicação em eletrônicos e semicondutores.

O que é um termopar?

Um termopar é um dispositivo de medição de temperatura que se baseia no princípio do efeito Seebeck, descoberto por Thomas Johann Seebeck em 1821. Ele consiste em dois fios de metais diferentes, unidos em uma extremidade chamada de junção de medição ou junção quente. A outra extremidade dos fios, conhecida como junção de referência ou junção fria, é mantida a uma temperatura conhecida e constante.

O que é um termopar?

 

Quando há uma diferença de temperatura entre as junções quente e fria, gera-se uma tensão elétrica (mV) ao longo dos fios. Esta tensão é diretamente proporcional à diferença de temperatura entre as duas junções. Medindo essa tensão, é possível determinar a temperatura na junção quente.

Termopares são amplamente utilizados devido à sua simplicidade, robustez e ampla faixa de medição de temperatura. Eles podem medir temperaturas que variam desde -200°C até mais de 2300°C, dependendo dos materiais utilizados. Algumas das vantagens dos termopares incluem:

  • Ampla faixa de medição de temperatura: Capazes de medir desde temperaturas criogênicas até altas temperaturas em processos industriais.
  • Rápida resposta: Devido à sua construção simples, os termopares respondem rapidamente a mudanças de temperatura.
  • Durabilidade e resistência: Eles podem ser usados em ambientes severos e sob condições extremas, incluindo altas pressões e atmosferas corrosivas.

Por essas razões, os termopares são amplamente utilizados em diversas indústrias, como a automotiva, aeroespacial, metalúrgica, e em processos químicos, bem como em aplicações de pesquisa e desenvolvimento.

Como funciona um termopar?

O funcionamento de um termopar baseia-se no princípio do efeito Seebeck, que é a geração de uma tensão elétrica (força eletromotriz) em um circuito composto por dois metais diferentes quando há uma diferença de temperatura entre as junções desses metais. 

O princípio de funcionamento de um termopar é baseado nos seguintes elementos:

  • Dois Metais Diferentes: Um termopar é constituído por dois fios de metais distintos, como cobre e constante (uma liga de cobre e níquel), ferro e constante, ou platina e ródio. Os metais são escolhidos com base em suas propriedades termoelétricas e na faixa de temperatura de operação desejada.
  • Junção Quente (Junta de Medição): As extremidades dos dois fios são unidas para formar a junção quente. Esta junção é colocada no ponto onde se deseja medir a temperatura.
  • Junção Fria (Junta de Referência): As outras extremidades dos fios são mantidas em uma temperatura de referência constante. Em sistemas modernos, a temperatura da junção fria é frequentemente medida e compensada eletronicamente.
  • Geração de Tensão (Efeito Seebeck): Quando a junção quente está a uma temperatura diferente da junção fria, uma tensão é gerada no circuito fechado devido ao efeito Seebeck. A magnitude desta tensão depende dos materiais dos fios e da diferença de temperatura entre as junções.

Como funciona um termopar?

Para medir a temperatura usando um sensor termopar, a tensão gerada pela diferença de temperatura entre as junções quente e fria é medida com um voltímetro  ou até mesmo através de um microcontrolador, como o Arduino. Esta tensão é então convertida em uma leitura de temperatura utilizando tabelas de referência ou fórmulas específicas para o tipo de termopar em uso. Você pode aprender a utilizar um termopar tipo K com o Arduino.

Para exemplificar, suponha que temos um termopar tipo K. A junção quente é colocada em um forno a 500°C, e a junção fria está a 25°C. A diferença de temperatura entre as junções é de 475°C. Isso gera uma tensão específica que pode ser medida e convertida na leitura de temperatura de 500°C usando a tabela de calibração para o termopar tipo K.

Características elétricas do termopar

Os termopares possuem diversas características elétricas importantes que determinam seu funcionamento, desempenho e adequação para diferentes aplicações. Abaixo, discutimos algumas dessas características:

  • Força Eletromotriz (fem) Gerada: A tensão gerada por um termopar, conhecida como força eletromotriz (fem), é uma função da diferença de temperatura entre a junção quente e a junção fria. Esta tensão é tipicamente medida em milivolts (mV) e varia de acordo com os materiais dos dois fios do termopar.
  • Coeficiente Seebeck: O coeficiente Seebeck (S) é uma medida da sensibilidade de um termopar e é definido como a taxa de variação da tensão gerada em relação à diferença de temperatura entre as junções:

S = dVdT

O valor do coeficiente Seebeck depende dos metais que compõem o termopar e é geralmente dado em microvolts por grau Celsius (µV/°C).

  • Resistência Elétrica: A resistência elétrica dos fios do termopar pode afetar a precisão das medições, especialmente em comprimentos maiores de fio. A resistência varia com o tipo de termopar e a temperatura dos fios. Resistências elevadas podem introduzir erros de medição, particularmente quando a resistência interna do instrumento de medição não é suficientemente alta.
  • Linearidade: A relação entre a temperatura e a tensão gerada por um termopar não é perfeitamente linear. Embora alguns tipos de termopares apresentem uma resposta mais linear do que outros, a maioria requer o uso de tabelas de calibração ou equações de correção para converter a tensão medida na temperatura correta.
  • Impedância: A impedância de saída de um termopar é geralmente muito baixa, o que significa que eles podem ser conectados a dispositivos de medição com alta impedância de entrada sem perda significativa de precisão. No entanto, a presença de ruído elétrico e interferência pode afetar a precisão das medições.
  • Estabilidade e Deriva: A estabilidade a longo prazo de um termopar refere-se à sua capacidade de manter uma saída de tensão consistente sob condições constantes ao longo do tempo. A deriva é a mudança gradual na leitura de temperatura que pode ocorrer devido a mudanças nas propriedades dos materiais do termopar, como oxidação ou contaminação.
  • Temperatura de Operação: Cada tipo de termopar tem uma faixa específica de temperatura de operação, além da qual suas características elétricas podem se degradar. É crucial escolher o tipo de termopar adequado para a faixa de temperatura da aplicação desejada.
  • Tolerância e Precisão: Os termopares vêm com especificações de tolerância que indicam a precisão esperada. Essas especificações são geralmente fornecidas em graus Celsius ou como uma porcentagem da leitura. Diferentes tipos de termopares possuem diferentes níveis de precisão, com alguns tipos sendo mais adequados para medições precisas do que outros.

As características elétricas dos termopares são essenciais para determinar sua adequação para diferentes aplicações de medição de temperatura. Compreender esses parâmetros ajuda a selecionar o termopar correto e garantir medições precisas e confiáveis em uma variedade de condições operacionais.

Tipos de termopares

Os termopares são classificados em diferentes tipos com base nos materiais dos fios que os compõem. Cada tipo tem características específicas, como a faixa de temperatura, a precisão, e a resistência a ambientes agressivos. Aqui estão os tipos de termopares mais comuns:

Tipo K 

O tipo K é o mais amplamente utilizado devido à sua ampla faixa de temperatura e boa resistência à oxidação. É adequado para uma variedade de aplicações industriais.

Tipo K

Tipo J 

Oferece uma faixa de temperatura mais limitada e é propenso à oxidação, o que o torna menos adequado para ambientes úmidos ou com alta presença de oxigênio.

Tipo J

  • Material: Ferro/Constantan
  • Faixa de Temperatura: -40°C a 750°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 55 µV/°C
  • Aplicações: Indústrias de plásticos, processamento de alimentos, e em equipamentos que operam em atmosferas inertes ou redutoras.

Tipo T

Excelente estabilidade e precisão em baixas temperaturas, tornando-o ideal para aplicações criogênicas.

Tipo T

  • Material: Cobre/Constantan
  • Faixa de Temperatura: -200°C a 350°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 43 µV/°C
  • Aplicações: Laboratórios de pesquisa, indústria farmacêutica, e monitoramento ambiental.

Tipo E 

Alta sensibilidade, ideal para medições precisas de pequenas variações de temperatura.

Termopar Tipo E

  • Material: Níquel-Cromo/Constantan
  • Faixa de Temperatura: -200°C a 900°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 68 µV/°C
  • Aplicações: Equipamentos médicos, processos de controle de qualidade, e experimentos científicos.

Tipo N

Alta estabilidade e resistência à oxidação a altas temperaturas, comparável ao tipo K, mas com melhor desempenho em ambientes hostis.

Termopar Tipo N

  • Material: Níquel-Cromo-Silício/Níquel-Silício
  • Faixa de Temperatura: -200°C a 1300°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 39 µV/°C
  • Aplicações: Indústria petroquímica, fornos de alta temperatura, e turbinas a gás.

Tipo S

Alta precisão e estabilidade, utilizado em ambientes de alta temperatura. Devido ao uso de metais preciosos, é mais caro.

Termopar Tipo S

  • Material: Platina-Ródio/Platina
  • Faixa de Temperatura: -50°C a 1480°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 10 µV/°C
  • Aplicações: Indústria de vidro, fabricação de semicondutores, e em processos onde a precisão é crítica.

Tipo R 

Semelhante ao tipo S, com excelente precisão e estabilidade em altas temperaturas.

Termopar Tipo R

  • Material: Platina-Ródio/Platina
  • Faixa de Temperatura: -50°C a 1480°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 10 µV/°C
  • Aplicações: Indústria de cerâmica, laboratórios de calibração, e processamento de metais.

Tipo B 

Capaz de medir as mais altas temperaturas entre os termopares, mantendo boa precisão. Sua saída de milivolts é muito baixa em temperaturas abaixo de 600°C.

Termopar Tipo B

  • Material: Platina-Ródio/Platina-Ródio
  • Faixa de Temperatura: 0°C a 1700°C
  • Coeficiente Seebeck: Aproximadamente 7-8 µV/°C
  • Aplicações: Fornos de alta temperatura, indústria aeroespacial, e na fabricação de aço.

Como calibrar um termopar?

A calibração de um termopar é essencial para garantir a precisão das medições de temperatura. Este processo envolve a comparação das leituras do termopar com um padrão de referência conhecido e a realização de ajustes, se necessário.

Para calibrar um termopar, você irá precisar dos equipamentos listados abaixo:

  • Fonte de temperatura estável (banho de gelo, forno de calibração, etc.)
  • Termômetro de referência calibrado (RTD, termômetro de mercúrio, etc.)
  • Multímetro de alta precisão para medir a tensão gerada pelo termopar
  • Conectores e fios adequados para ligar o termopar ao multímetro

Abaixo está um guia passo a passo para calibrar um termopar:

  • Estabelecer um Ponto de Referência:
  • Banho de Gelo (0°C): Preencha um recipiente isolado com gelo picado e água destilada para criar uma mistura de gelo-água. Insira a junção de medição do termopar na mistura de gelo-água. Certifique-se de que o termopar esteja totalmente imerso e em contato constante com o gelo. O termômetro de referência também deve ser colocado na mistura para garantir a precisão do ponto de referência.
  • Ponto de Alta Temperatura: Utilize um forno de calibração ou uma fonte de temperatura controlada. Coloque a junção de medição do termopar na fonte de alta temperatura, ao lado do termômetro de referência.
  • Medir a Saída do Termopar: Conecte as extremidades livres do termopar ao multímetro de alta precisão. Registre a tensão gerada pelo termopar quando ele estiver estabilizado na temperatura de referência do banho de gelo (0°C) e na fonte de alta temperatura. Simultaneamente, registre a temperatura medida pelo termômetro de referência.
  • Comparar as Leituras: Compare as leituras de tensão do termopar com os valores esperados, usando as tabelas de calibração específicas do tipo de termopar. Essas tabelas correlacionam a tensão gerada pelo termopar com a temperatura correspondente.
  • Ajustar e Corrigir: Se houver discrepâncias significativas entre as leituras do termopar e o termômetro de referência, ajuste as leituras do termopar. Isto pode ser feito aplicando correções calculadas com base na diferença observada.
  • Repetir o Processo: Para garantir a precisão, repita o processo de calibração em vários pontos de temperatura. Isso ajudará a confirmar que o termopar está funcionando corretamente em toda a faixa de operação esperada.

Aplicações de um termopar

Os termopares são amplamente utilizados em diversas indústrias e aplicações devido à sua versatilidade, robustez e capacidade de medir uma ampla faixa de temperaturas.

Aplicações

Na indústria automotiva, termopares monitoram a temperatura dos gases de escape e das partes do motor, ajudando a otimizar o desempenho do motor e a reduzir emissões. Durante os testes de desenvolvimento de veículos, são utilizados para medir as temperaturas de vários componentes sob diferentes condições operacionais.

Na indústria de processamento de alimentos, eles são usados para monitorar e controlar a temperatura em fornos, câmaras de aquecimento e outros equipamentos, garantindo que os produtos sejam cozidos ou processados na temperatura correta. Além disso, são empregados em sistemas de refrigeração e congelamento para garantir que os alimentos sejam armazenados em temperaturas seguras.

Aplicações Na indústria metalúrgica

Na indústria metalúrgica, termopares são essenciais para controlar e monitorar as temperaturas em fornos de alta temperatura usados em processos como têmpera, recozimento e fundição. Eles também são utilizados para monitorar a temperatura durante processos de soldagem e corte a plasma, garantindo a qualidade e a integridade das soldas.

Na indústria química e petroquímica, os termopares são empregados para monitorar e controlar as temperaturas em reatores químicos e caldeiras, garantindo processos seguros e eficientes. Em refinarias, são utilizados para medir temperaturas em diversas etapas do processamento de petróleo, incluindo destilação e craqueamento.

Na indústria de energia, termopares são usados para monitorar a temperatura em turbinas, caldeiras e outros equipamentos críticos em usinas de energia, ajudando a melhorar a eficiência e a prevenir falhas. Na energia solar térmica, por exemplo, são usados para monitorar a temperatura dos coletores solares.

Aplicações No setor de eletrônicos e semicondutores

No setor de eletrônicos e semicondutores, termopares são utilizados para controlar a temperatura durante a fabricação de dispositivos semicondutores, onde a precisão é crucial para a qualidade do produto final. Eles também ajudam a garantir que os componentes eletrônicos operem dentro das temperaturas especificadas durante os testes de desempenho e confiabilidade.


Se você tiver dúvidas, sugestões ou experiências para compartilhar, fique a vontade para deixar um comentário abaixo. E para não perder nenhum conteúdo como este, não deixe de nos seguir no Instagram.

Faça seu comentário

Acesse sua conta e participe