Módulos Relé com Ofertas Incríveis | MakerHero
Relés

Relés

Amplie as possibilidades de controle em seus projetos com a ampla gama de relés disponíveis na MakerHero. Em nosso catálogo, você encontrará uma seleção diversificada de relés de alta qualidade, a preços acessíveis, todos acompanhados de garantia e emissão de nota fiscal. Explore a variedade de opções de relés em nossa loja para acionar dispositivos elétricos de forma confiável, precisa e adaptável às suas necessidades específicas de automação e controle de circuitos.

Mostrando todos 19 resultados

O que é um relé?

Um relé é um componente eletromecânico essencial em circuitos elétricos, permitindo o controle de corrente em um circuito separado através de um sinal elétrico em outro circuito. Ele opera como um interruptor controlado remotamente, usando uma pequena corrente para ativar um conjunto de contatos capazes de manipular correntes maiores. 

A estrutura básica de um relé consiste em uma bobina, um núcleo magnético e um conjunto de contatos. Quando uma corrente elétrica é aplicada à bobina, ela cria um campo magnético que atrai ou repele os contatos, abrindo ou fechando o circuito principal. 

Existem vários tipos de relés, incluindo relés eletromecânicos, relés de estado sólido e relés de temporizadores, cada um com características específicas para diferentes aplicações. Os relés são amplamente utilizados em sistemas de controle industrial, automação residencial, dispositivos de segurança, sistemas de distribuição de energia e muitas outras áreas onde é necessário o controle remoto ou automático de dispositivos elétricos. Sua versatilidade e confiabilidade os tornam fundamentais em uma ampla gama de aplicações elétricas e eletrônicas.

 

Como funciona um relé?

O funcionamento de um relé é relativamente simples, embora fundamental para o controle de circuitos elétricos. Ele opera com base nos princípios da indução eletromagnética. Aqui está uma visão geral de como funciona:

  • Bobina do relé: Um relé possui uma bobina enrolada em torno de um núcleo magnético. Quando uma corrente elétrica é aplicada à bobina, ela cria um campo magnético ao redor do núcleo.
  • Contatos do relé: Os relés também têm um conjunto de contatos móveis que podem estar normalmente abertos (NA), normalmente fechados (NF) ou em estado intermediário. Esses contatos são posicionados de tal forma que, quando a bobina é energizada, o campo magnético gerado move os contatos para um estado específico.
  • Comutação dos contatos: Quando a bobina é energizada, o campo magnético resultante atrai ou repele os contatos, dependendo do tipo de relé e da disposição dos contatos. Isso causa uma mudança no estado dos contatos, abrindo ou fechando o circuito conectado aos terminais do relé.
  • Controle de circuito: A mudança de estado dos contatos do relé pode ser usada para controlar o fluxo de corrente em um circuito separado. Por exemplo, uma pequena corrente elétrica pode ser usada para ativar a bobina do relé, enquanto os contatos do relé podem ser usados para controlar uma corrente maior em outro circuito.

Em resumo, um relé funciona convertendo uma pequena corrente elétrica na bobina em um campo magnético que, por sua vez, move os contatos do relé, abrindo ou fechando um circuito separado. Isso permite o controle remoto ou automático de dispositivos elétricos ou sistemas, tornando os relés componentes essenciais em uma ampla variedade de aplicações elétricas e eletrônicas.

 

Tipos de relés

Existem vários tipos de relés, cada um projetado para atender a diferentes necessidades e aplicações. Aqui estão alguns dos tipos mais comuns:

    • Relé eletromagnético: Este é o tipo mais básico de relé, que opera com base nos princípios da indução eletromagnética. Ele possui uma bobina que, quando energizada, cria um campo magnético para operar os contatos.
    • Relé de estado sólido: Este tipo de relé não possui partes móveis e usa componentes semicondutores para realizar a comutação. Eles oferecem vantagens como maior confiabilidade, vida útil mais longa e operação mais silenciosa em comparação com os relés eletromagnéticos.
    • Relé temporizador: Também chamado de relé de impulso, esses relés são projetados para fornecer atrasos específicos antes de ativar ou desativar um circuito. Eles são comumente usados em aplicações como controle de iluminação, sistemas de controle de acesso e automação industrial.
    • Relé fotoelétrico: Este relé é sensível à luz e é usado para controlar a iluminação com base na luminosidade ambiente. Ele ativa ou desativa dispositivos de iluminação, como lâmpadas de rua, dependendo da quantidade de luz disponível. É ideal para economizar energia e garantir iluminação adequada em diferentes ambientes.
    • Relé térmico: Este tipo de relé é usado para proteger motores elétricos contra sobrecarga térmica. Ele monitora a corrente elétrica que passa pelo motor e desliga o circuito se detectar uma corrente excessiva por um período prolongado.
    • Relé de segurança: Estes relés são projetados para fornecer proteção contra falhas de segurança em sistemas críticos. Eles podem incluir características como redundância de circuito, monitoramento de feedback e capacidade de autoteste.
    • Relé de proteção: Estes relés são usados para proteger sistemas elétricos contra sobrecorrente, curto-circuito, falta de fase e outras condições de operação anormais. Eles são comumente usados em sistemas de distribuição de energia elétrica.
    • Relé de nível: Esse tipo de relé monitora o nível de líquidos em tanques ou reservatórios e aciona ações específicas com base nesses níveis. Pode ligar ou desligar bombas, abrir ou fechar válvulas, ou ativar alarmes quando o nível de líquido atinge um ponto crítico. É essencial em aplicações industriais, sistemas de tratamento de água e monitoramento ambiental.
    • Relé de potência: Este tipo de relé é projetado para controlar cargas de alta potência, como motores elétricos, aquecedores e sistemas de iluminação de alto brilho.
    • Módulo Relé: Existem também os módulos de relé, que são dispositivos que facilitam a conexão e o controle de relés com o Arduino. Esses módulos geralmente vêm com relés montados em uma placa de circuito impresso, junto com componentes adicionais, como optoacopladores, diodos e resistores de pull-up. Eles simplificam a integração do relé ao Arduino, fornecendo terminais de conexão convenientes e proteção elétrica adicional para garantir o funcionamento seguro e confiável.

É importante observar que, além dos diferentes tipos de relés, cada modelo de relé opera em uma tensão específica. Por exemplo, existe relé de 5V e relé de 12V, entre outros. A escolha da tensão do relé depende da compatibilidade com o sistema em que será utilizado, bem como da tensão de alimentação disponível. Portanto, ao selecionar um relé para um projeto, é essencial garantir que a tensão de operação do relé seja compatível com a tensão de alimentação disponível no circuito onde ele será utilizado, para garantir um funcionamento correto e seguro.

 

Como ligar um relé?

Para ligar um relé, siga estas etapas básicas:

  • Identifique os terminais: Um relé tem vários terminais, incluindo os terminais da bobina e os terminais dos contatos. Geralmente, os terminais da bobina são identificados como “C1” (comum), “NC” (normalmente fechado) e “NO” (normalmente aberto), enquanto os terminais dos contatos são identificados como “C” (comum), “NC” (normalmente fechado) e “NO” (normalmente aberto).
  • Conecte a bobina: Conecte os terminais da bobina do relé a uma fonte de alimentação adequada. A polaridade pode ser importante, então verifique as especificações do relé para garantir a conexão correta.
  • Conecte os contatos: Conecte os terminais dos contatos do relé ao circuito que você deseja controlar. Por exemplo, se você estiver usando o relé para ligar e desligar um dispositivo elétrico, conecte o terminal “C” a uma fonte de energia, o terminal “NO” ao dispositivo e o terminal “NC” ao terra.
  • Forneça uma fonte de acionamento: Para ativar o relé, você precisa fornecer uma fonte de acionamento à bobina. Isso pode ser feito por meio de um microcontrolador, um interruptor, um sensor ou qualquer outro dispositivo que possa gerar o sinal necessário para acionar a bobina.
  • Teste o funcionamento: Após conectar tudo corretamente, teste o funcionamento do relé. Quando a bobina for energizada, os contatos devem comutar de acordo com as especificações do relé.

Lembre-se sempre de verificar as especificações do relé e as necessidades do seu circuito antes de fazer as conexões. Certifique-se de seguir as precauções de segurança adequadas ao lidar com eletricidade.

 

Como testar um relé?

Para testar um relé, siga estas etapas básicas:

  • Identifique os terminais: Primeiro, identifique os terminais da bobina e os terminais dos contatos do relé. Geralmente, os terminais da bobina são identificados como “C1” (comum), “NC” (normalmente fechado) e “NO” (normalmente aberto), enquanto os terminais dos contatos são identificados como “C” (comum), “NC” (normalmente fechado) e “NO” (normalmente aberto).
  • Conecte a bobina: Conecte os terminais da bobina a uma fonte de alimentação adequada. Certifique-se de observar a polaridade correta, se aplicável, seguindo as especificações do relé.
  • Verifique a operação dos contatos: Com a bobina energizada, verifique se os contatos mudam de posição conforme o esperado. Se estiver usando um multímetro, coloque-o na função de continuidade ou resistência e teste a conexão entre os terminais dos contatos (C) e (NO) ou (NC), dependendo do estado normalmente aberto ou normalmente fechado do relé.
  • Teste de continuidade: Você pode usar um multímetro para testar a continuidade dos contatos quando o relé está energizado. Isso ajudará a verificar se os contatos estão funcionando corretamente.
  • Teste de operação com carga: Se possível, conecte o relé a um circuito de teste com uma carga, como uma lâmpada ou um motor. Acione a bobina e verifique se a carga é ligada e desligada conforme o esperado.
  • Inspeção visual: Faça uma inspeção visual do relé para garantir que não haja sinais de danos físicos, como queimaduras, derretimento ou corrosão.

Ao realizar esses testes, você pode determinar se o relé está funcionando corretamente ou se precisa ser substituído. Lembre-se sempre de seguir as precauções de segurança adequadas ao lidar com eletricidade.

 

Como conectar um relé no Arduino?

Para conectar um relé ao Arduino, siga estas etapas básicas:

  • Identifique os terminais do relé: Um relé geralmente tem pelo menos cinco terminais: COM (comum), NC (normalmente fechado), NO (normalmente aberto), GND (terra) e VCC (alimentação). Além disso, alguns relés podem ter um terminal adicional para a bobina.
  • Conecte a alimentação do relé: Conecte o terminal VCC do relé a uma porta de saída digital do Arduino (por exemplo, o pino 12) para fornecer a alimentação da bobina do relé. Conecte o terminal GND do relé a um pino GND no Arduino para estabelecer uma referência comum de terra.
  • Conecte a carga ao relé: Conecte a carga (por exemplo, uma lâmpada, motor, solenoide, etc.) aos terminais COM (comum) e NO (normalmente aberto) do relé. Quando a bobina do relé é acionada, os contatos normalmente abertos são fechados, permitindo que a corrente flua através da carga.
  • Proteja o Arduino: Se estiver usando uma carga indutiva (como um motor), pode ser necessário adicionar um diodo de proteção em paralelo com a carga para proteger o circuito do Arduino contra picos de tensão reversa.
  • Escreva o código Arduino: Escreva um código Arduino para controlar o relé. Você pode usar funções como digitalWrite() para acionar a bobina do relé. Por exemplo, para ativar o relé, você pode definir o pino da bobina como HIGH e, para desativar o relé, defina-o como LOW.
  • Teste o circuito: Carregue o código no Arduino e teste o circuito. Verifique se a carga está sendo ativada e desativada conforme esperado quando você envia os sinais para o relé.

Lembre-se sempre de seguir as precauções de segurança ao trabalhar com eletricidade e certifique-se de que a carga que você está controlando esteja dentro das especificações do relé.

Abaixo estão alguns tutoriais que demonstram como utilizar um relé com o Arduino e o ESP8266 em diferentes projetos:

 

Aplicações dos relés

Os relés são amplamente utilizados em uma variedade de aplicações em que é necessário controlar o fluxo de corrente elétrica de maneira remota ou automática. Algumas das aplicações comuns dos relés incluem:

  • Controle de dispositivos elétricos: Os relés são frequentemente usados para controlar dispositivos elétricos, como lâmpadas, motores, solenoides e válvulas. Eles permitem que esses dispositivos sejam ligados e desligados de forma remota, automaticamente ou de acordo com determinadas condições.
  • Automação residencial: Em sistemas de automação residencial, os relés são empregados para controlar iluminação, sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado (HVAC), portões elétricos, sistemas de segurança, entre outros. Isso permite que os usuários controlem esses dispositivos por meio de dispositivos inteligentes ou programações automatizadas.
  • Sistemas de segurança: Os relés são componentes-chave em sistemas de segurança, como alarmes de intrusão, câmeras de vigilância e sistemas de controle de acesso. Eles podem ser usados para acionar sirenes, ativar luzes de emergência, fechar portões ou portas, entre outras funções de segurança.
  • Automação industrial: Na indústria, os relés desempenham um papel crucial na automação de processos, controlando máquinas, equipamentos e sistemas de produção. Eles são usados em aplicações como controle de motores, acionamento de válvulas, controle de temperatura e gerenciamento de linhas de produção.
  • Proteção de circuitos: Relés de proteção são utilizados para proteger circuitos elétricos contra sobrecargas, curtos-circuitos e outros problemas elétricos. Eles podem desligar automaticamente o circuito em caso de falha, prevenindo danos aos equipamentos e garantindo a segurança dos operadores.
  • Telecomunicações: Em sistemas de telecomunicações, os relés são usados para rotear sinais, conectar linhas telefônicas, alternar entre diferentes circuitos e garantir a integridade dos dados transmitidos.